Boas vindas

Que todos possam, como estou fazendo, espalharem pingos e respingos de suas memórias.
Passando para as novas gerações o belo que a gente viveu.
(José Milbs, editor)

10.8.08

EDELTON BARRETO ANTUNES....


MEU CONTEMPORÃNEO EDELTON BARRETO ANTUNES DE ALEGRES RISADAS NOS BONS TEMPOS DOS ANOS 60/70...

Ser Católico como eu, Espírita como Nier ou mesmo Batista como Armando não fazia diferença nas nossas conversas e brincadeiras de uma Macaé que some no esquecimento de seus valores naturais.

Namoricos, cinemas, jogos de peladas, sinucas, idas e vindas na Rua Direita, onde as meninas iam e os meninos ficavam olhando, nos flertes de belos casamentos futuros.

Edelton fazia parte de nossas alegrias. Ele, Edgar e uma grande quantidade de meninos e meninas eram frutos da união do Pastor Edmundo com Dona Zozó, irmã do Sr. José da Cunha Barreto, um dos grandes contadores de lindas histórias de nossa natividade.

Era no Colégio Estadual Luiz Reid que todos se reuniam para as longas conversas e troca de informações. A filharada do Seu Barreto, do Pastor Edmundo e do Professor Pierre Tavares da Silva Ribeiro, num Ecumenismo Natural e Saudável uniam todos nós. Às vezes nas conversas ao Pé das Mangueiras, no velho casarão da Preça da Luz onde enforcaram o Mota Coqueiro e, outras tantas, nas Peladinhas com bolas de Meia mesmo nas ruas esburacadas e aconchegante de nossa velha Macaé...

Quando não estávamos neste sublime momento das infâncias, estávamos nos Bancos Escolares recebendo os sagrados ensinamentos das Professoras Mirsys, Jacyra, Ilda, Letícia Pessanha, Letícia Carvalho, Pierre, Ronald de Souza, Renato Fernandes, Anita Parada, Thereza Pereira da Silva, Abílio Miranda e Roberto Mourão e outros que a memória deixa escapar aos 68 anos...

Herdeiro, como Edgar seu irmão, dos dotes pastorais de seu pai Edmundo Antunes se destacou como Pregador Evangélico e seu nome soava com carinho e respeito em toda comunidade Batista onde dedicou sua vida e sua palavra. As poucas vezes que revi Edelton foram marcadas por sorrisos e recordações das nossas existências nas ruas empoeiradas de Macaé. Foi também com esta alegria que revi o Edgar e a Edalva.

Admirado pelo olhar orgulhoso de Edilson, mais novo e mais curioso, Edelton cimentou, carinhosamente um afeto que se cristalizou nas "Últimas homenagens que foram prestadas por toda a comunidade da Região de Petróleo e Petrópolis"...

Nos anos 60 O REBATE tinha uma página Evangélica onde o Pastor Edmundo Antunes, Pierre Tavares, Padre Nabais e Euzébio Mello expunham suas idéias. Era o início do objetivo democrático que até hoje é o tom do nosso www.jornalorebate.com e que estamos mantendo até hoje. Coincidencia ou não a morte de meu amigo se deu na presença de Padres e Pastores...

Em Petrópolis Edelton vai fazer falta na comunidade com o mesmo sentimento de ausência que seu pai deixou na Região de Petróleo. Para Macaé ficou a certeza de que “O Bom filho a casa torna”. Veio faleceu na cidade que o viu crescer, fazer travessuras e partir. (José Milbs de Lacerda Gama, editor de O REBATE).

Um comentário:

Phydias disse...

Edelton ficou na minha lembrança de adolescente, quando, na minha passagem de 4 anos por Macaé, na década de 60, era frequentador assíduo da Primeira igreja Batista. Eu o considerava meu primo, afinal ele era primo dos meus primos...Seu sorriso e simpatia eram sinceros e concretos e seu trabalho evangélico, admirável. Tenho certeza que sua morte deixa marcas profundas em seus admiradores no mundo inteiro. Armando acaba de me contar a beleza que foi a cerimônia que marcou seu enterro em Petrópolis! Que pena que estou longe e não pude comparecer. Mas envio daqui meus sinceros e sentidos pêsames a toda a "minha" familia, principalmente a meus queridos contemporâneos de alegrias e brincadeiras sadias na Igreja Batista, Eda, Edalva e Edilson. O espírito de Edelton certamente estará em lugar confortável ao lado de grandes nomes da humanidade como Ghandi, Madre Tereza, Sócrates e principalmente, muito próximo de Jesus. Phydias Barbosa Filho.