Boas vindas

Que todos possam, como estou fazendo, espalharem pingos e respingos de suas memórias.
Passando para as novas gerações o belo que a gente viveu.
(José Milbs, editor)

29.5.07

MORRE LUIZ CORGA E DEIXA UMA GRANDE LACUNA NA VIDA DA REGIÃO DE PETROLEO...


LUIZ CORGA UM EXEMPLO DE VIDA E DE RESPEITO AO SEMELHANTE. UMA GRANDE PERDA NA REGIÃO

As cidades de interior do Brasil sempre estiveram ligadas a determinados homens que chegam. Nos anos 60, Macaé era uma cidadezinha sem pretensões de progresso. Daí por que eram sempre notadas as presenças de gente nova em sua comunidade. Foi assim que aqui chegou o, então jovem, alegre e simpático Luiz Corga. Veio gerenciar um dos mais modernos Bancos da região e foi logo se identificando com as pessoas simples, pequenos comerciantes e o povo em geral. Alguma coisa diferenciava este jovem bancário dos demais gerentes. Uma atenção toda especial as pessoas humildes, tímidas e origem pobre. Era comum sua presença, nos fins de tardes, nos pequenos bares e ponto de encontro das pessoas que gostavam das longas conversas. Sempre elegante, com suas vestes brancas e um largo sorriso tímido e um sotaque mineiro, ele ai forjando um mundo novo nesta cidade de Sol e Mar constante.

Luiz Corga sabia confiar nos seus clientes pelo olhar e pela palavra, O REBATE foi um de suas mais lindas conquistas quando objetivamos modernizar nossos equipamentos gráficos nos anos 60/70. Estava eu em Leopoldina MG a passeio com meu velho amigo Antonio Carlos de Assis. Conheci, em conversas nas noites mineiras, o Velho Junqueira, dono de um jornal em BH. Queria vender suas máquinas. Achei que poderia comprar mais não tinha a grana. Liguei para o Corga e ele: Dê um cheque ai no valar, eu cubro aqui e quando você chegar à gente faz um empréstimo. Coisa normal quando se tem um grande saldo. Não era o meu caso. Estava começando a minha vida, filho pequeno de colo, e sem os lastros naturais que seriam necessários para esta grande empreitada. Era a compra de uma Maquina Impresso de grande porte. Fiz o combinado, honramos o compromisso e ficamos devendo esta confiança pura a este grande homem que, ao se aposentar do Banco não quis voltar para sua cidade. Criou seus lindos filhos e honrou a profissão de Corretor Imobiliário. Para minha felicidade a geração de seus descendentes está ai ligado e amigos de meus filhos e netos.

A morte de Luiz Corga, aos 79 anos abre uma lacuna que dificilmente será preenchida na vida das cidades da região de petróleo do RJ, O REBATE une-se as tristezas que tomaram conta de todos que souberam de seu passamento. Eu soube, aqui no Sitio pelo meu primo Sergio (Serginho) Duarte Correa da Silva que também é amigo de seus filhos e dos meus...(José Milbs editor de O REBATE www.jornalorebate.com 75 anos de histórias na região de Petróleo do RJ.

Um comentário:

Marisa Zanirato disse...

Milbs,
Lamento a morte do seu amigo Luiz Corga mas, ao mesmo tempo, felicito esse homem que deixou um saldo positivo de realizações no banco da Vida e que você, de modo tão brilhante, dá testemunho aos seus leitores.
Abraços, amigo!
Marisa.