Boas vindas

Que todos possam, como estou fazendo, espalharem pingos e respingos de suas memórias.
Passando para as novas gerações o belo que a gente viveu.
(José Milbs, editor)

2.7.09

Edgar Ficher de Mello, filho do jornalista Ten. Mello falece na região de Petróleo...



Outro pilar dos Mellos de nossa região deixa de existir materialmente. Edgar foi um grande amigo e "meu sempre incentivador" nesta minha veia de escrever tudo que bate nas minhas paredes memoriais, sem me preocupar com erros gramaticais, pontos ou revisão, vale a inspiração.
Nos conhecemos muito jovens. Ainda tinhamos nossos cabelos negros e Macaé era uma grande familia onde todos sabiam as origens e conheciamos todas as vielas que nos levavam ao Centro da Cidade. O REBATE foi o celeiro de grandes colunistas. Desde os anos 30 até hoje sua marca é a marca do forjamento de grandes jornalistas e poetas.
Tenente Mello, pai do meu velho amigo edgar, era um destes que, junto com Osmar Sardenberg (com n como ele gostava de frizar em suas crônicas com pseudônimo de "Ramos"), aliado, também, a José Murteira que se assinava "Mirto",e outros vultos do jornalismo dos anos 50, 60, 70 do Século passado.
Edgar herdou do Velho Mello, o manusiar com as letras e com a fala. Dono de uma linda vóz iniciou-se no Radio e fazia parceria com outras belas vózes como as de Ignácio Heleno Mathias Netto (meu primo), Pedro Paulo de Sá Vianna, Manoel Antonio Assumpçao, Rubens Rodrigues Barreto (irmão do meu amigo Paulo Rodrigues Barreto),Jayro Bacellar Vasconcellos (amigo de meu pai Djecyr Nunes da Gama0, Thiers Pereira de Azevedo... velhos boêmios, alegres malandros e grandes vultos.
Neste tempo de võzes sonoramente/hermoniosas e belas não haviam TVs e a "Rádio Club de Macaé"" era de propriedade do Senhor Dantas que inaugurou este meio de comunicação em nossa região.
Edgar Ficher de Mello era destaque em seus horários com uma das maiores audiências da cidade.
Fomos parceiros durante um longo tempo. Muitas cronicas do seu pai a gente transcrevia no "O REBATE" e ele mesmo fazia alguns textos queforam publicados nos anos 60.
Admirador e amigo do ex prefeito Sylvio Lopes, de quem tivemos bons momentos juntos, era uma constante a gente ir no "Bar e Restaurante São Cristvão", no Centro da Cidade para papearmos com Sylvio que começava sua vida comercial neste pequeno barzinho. Manoel do Carmo Losada, Célio Pimentel Ferraz, Olápio Quinteiro ( o alegre Dédeu), Walter e Faetinho Vieira, Thiers, Manoel Tavares, Manoel Antonio Assumpçao e outros velhos pilares de nossa radiosinfonia-nativa, faziam, ali no Bar de Sylvio, nosso ponto de encontro depois de uma noitada alegre das vindas felizes dos puros e amenos prostibulos dos anos 60...
Atualmente o Geoval Soares que, residindo à 30 anos e, já sendo cidadão da Região de Petróleo, segue os passos destes magos da radiofonia que encantaram gerações.
Ultimamente o Bom edgar andava meio cabreiro da vida. O mesmo olhar felino, o mesmo sorriso do jovem brotava nele quando nos avistámos nos poucos encontros na Nova Macaé dos anos 2000 que some, absorvida por uma nova safra de novos moradores que se jontam aos antigos e fortalecem a futura genética.
Dizia que andava meio adoentado e, sorria, quando eu lhe tocava em alguns trexos de nossas vivências.
Possuidor de um senso de inteligencia aflorada até pouco tempo atuou em uma Rádio Local com algumas reclamações populares.
Mais um Mello que nos deixa. Foi-se o Euzébio Luiz da Costa Mello, Lecino Mello, Luiz Alfredo Mello, Tenente Mello e o patriarca da nossa imprensa Cézar Mello.
O rebate se une a saudade deste grande radialista/cronista e amigo, Edgar Ficher de Mello.
Num dos últimos encontros que tive com o Edgar, na Rua Direita, orgulhosamente me apresentou o seu filho Pulo Roberto Alves de Mello, fruto da união com Dona Eloina Alves de Mello. Rendo aos seus familiares minhas homenagens saudosas. Não é sempre que uma cidade de interior pode ter homens da liderança que o Edgar tinha junto a comunidade humilde da Região de Petróleo. ( José Milbs de Lacerda Gama editor de O rebate) www.jornalorebate.com 77 anos de histórias

Um comentário:

Radio disse...

Trabelhei com senhor Edigard Ficher de Mello na decada de 80 em uma emissora de radio em Rio do Sul SC.
Trabalho como tecnico em radiodifusão em uma emissora instalada por ele, aprendi muito com o senhor Edigard.
Grande perda.
Saudade daquela epoca