Boas vindas

Que todos possam, como estou fazendo, espalharem pingos e respingos de suas memórias.
Passando para as novas gerações o belo que a gente viveu.
(José Milbs, editor)

7.10.08

Geni Célem de Lacerda Borges uma vida de encantamento e beleza...


Quando era criança, nos anos de 1940, numa cidadezinha ao norte do Estado do Rio de Janeiro de nome Macaé, aprendi a ser observador das vózes harmoniosas que saiam dos lábios de meus amtepassados. Coisas que eram vistas nas longas conversas nas "Cadeiras nas Calçadas" estendidas e felizes nas ruas empoeiradas da futura capital do petróleo. Era na Rua Doutor Bueno, velha Rua do Meio onde as ondas bravias do Mar de Imbetiba http://www.jornalorebate.com/luar_de_imbetiba/ vinham até as nossas beiradas das soleiras. Era o encontro alegre de conchas, estrelas do mar e restos de espinhas de peixes que a criançada aproveitava para confeccionar barquinhos de papel.
Foi num destes encontros das Verdadeiras Histórias de minha cidade nativa que ouvi falar de Geni. Casada com meu primo Heros Lacerda Borges sua presença no labial das pessoas tomava de encantamento todo o ambiente das "Cadeiras Estendidas nas Calçadas". Quem seria, pensava eu, menino de 8 anos e já conhecido nas rodas infantis de Macaé como o "Pinguin da Rua do Meio", esta figura que, quando citada criava uma auréola de encanto e transformava os olhares de todos em febril momento de prazer?
Geni não morava na Cidadezinha de Macaé. Embora nascida da união de Afif com seu Abid Célém, morava em Niteroi com suas belas irmães Lucy, Dezi, Tidinha e meu amigo Renato.
Pensava então: " Por que minha Mãe Ecila, minha inesquecivel avó Alice (Nhasinha) de Lacerda, minhas tias Leonor (Doca)de Lacerda Santos, Ondina de Lacerda Borges e outras pessoas presentes nas "Cadeiras nas Calçadas" se serviam do encanto para falar em Geni"?
Outras pessoas se faziam presentes a estes momentos encantados na Rua do Meio. Therezinha Maria de Lacerda Santos, Maria Clyce de Lacerda Santos, Djecila Maria de Lacerda Gama, Ivan Sérgio de Lacerda Gama, Maria Eduarda Santos da Costa e Oliveira, Maria Clara de Lacerda Santos da Costa, Nelson e Eliete de Lacerda Santos eram alguns dos muitos que, como eu, conheceram as histórias e tomaram ciência da existência de Geni Célem de Lacerda Borges.
Quando cresci e pude conhecer Geni na Rua Castilhos França em Niteroi quando, vitima de um grave acidente estive internado no "Hospital Antonio Pedro" pude testemunhar, ao vivo, os motivos de todos os meus familiares e antepassados, reverenciarem sua figura humanamente pura.
Minha mãe Ecila, guestionada por mim sobre a beleza interior que Geni punha à mostra na fala e no olhar, ria e sentenciava: "meu filho, você precisava conhecer dona Afif. Ela que espalhou esta beleza que estão na genética de todas os seus filhos. Encontrada em Tidinha, Lucy ou Dezi.
Geni faleceu em niteroi. Cercada pelo afeto e amor de seu filho Ronaldo Celem Borges,de sua nora e netos. Aos 88 anos, as cidades de Macaé, São Gonçalo e Niteroi perdem a presença jovem de uma menina de 92 anos que pisou suas ruas empoeiradas e honrou a vida.
De minha parte fica a saudade. A uns 15 dias estive com Paulo Barbosa Barreto e perguntei por Geni. Não pude revê-la em vida mais fica minha saudade e meus sentimentos a todos os seus familiares e amigos.Liguei para minha querida amiga Alice Barreto Maia e pedi a que comunicasse a todos a tristeza de toda equipe de O REBATE que, durante seus 77 anos de existência sempre foi lido por todos os familiares de Geni.
José Milbs de Lacerda Gama editor de www.jornalorebate.com

Um comentário:

MARIA EDUARDA disse...

OI MILBS
LINDÍSSIMO O QUE VC ESCREVEU PARA GENY. FIQUEI MUUUUITO EMOCIONADA. SENTI SAUDADES DE TODOS QUE JÁ SE FORAM E PRINCIPALMENTE DA ÉPOCA QUE NÃO VOLTARÁ JAMAIS. CHOREI. MAS FOI UM CHORO DE SAUDADE E CHEIO DE EMOÇÃO.OBRIGADA POR RESGATAR AS BOAS LEMBRANÇAS DO PASSADO. GENY VIVEU COMO UM 'ANJO" ENVIADO PELO CÉU E ASSIM SE FOI. NUNCA CONHECI UMA PESSOA TÃO BOA COMO ELA E TIA NHAZINHA.
SÓ UM DETALHE. EU E CLARA SOMOS SANTOS DA COSTA E EU TENHO MAIS O "E OLIVEIRA.
BJOS EDUARDA